Avançar para o conteúdo principal

Abraço à Vela II: Travessia Cabo Verde - Brasil

Eles estão de volta!!

Três anos após a última grande travessia que o GoogleearthPT apoiou e seguiu atentamente, a tripulação do Mussulo I está de volta com uma nova travessia e um novo Mussulo, o Mussulo II.
Assim, o novo objectivo é ligar Cabo Verde ao Brasil, mais concretamente Mindelo - Recife, num prazo de 14 dias de viagem pelas águas mais quentes e com menos vento do Atlântico.

A partida será hoje pelas 10:00h GMT e o GoogleearthPT juntou-se à restante equipa terrestre para seguir diariamente o progresso desta viagem.

Foi criado um KMZ dinâmico, que se actualiza automaticamente sempre que haja novidades ou alterações na viagem.
Para os que ainda são novatos, nestas andanças do Google Earth, fica aqui a explicação de como utilizar o KMZ.

1º Passo - Descarregar o ficheiro e abrir com o Google Earth

Para descarregar o KMZ desta viagem podem faze-lo clicando nesta hiperligação (GEPTLDAAVIICV-BR.kmz).
Assim apenas necessitam descarregar 1 vez o ficheiro e quando este surgir no Google Earth, arrastar dos locais temporários para os "meus locais". (ver imagem)

Com isto o ficheiro passa a constar nos vossos "favoritos" do Google Earth e estará lá sempre que abram o Google Earth.

2º Passo - Menu lateral e Navegação

Para que o ficheiro vá buscar os dados mais recentes da viagem vamos clicar com o botão do lado direito do rato sobre o link, e posteriormente em "Actualizar".
Após a actualização aparecerá um [+] ao lado de "GoogleEarthPT [Apresenta]".
Ao clicarmos no [+] vamos expandir todo o conteúdo que acabou de ser actualizado.
A actualização trará por defeito algum conteúdo pré seleccionado, no entanto é possível escolher o conteúdo que queremos ver, colocando um visto verde na caixa ao lado de cada pasta, isto activa ou desactiva o conteúdo.
Na imagem em cima, foram activadas as pastas "Tripulação" e a pasta da "00 - Rota Prevista".
Todas as hiperligações (texto sublinhado a azul) podem ser clicados, abrindo o "placemark" e o conteúdo de descritivo de cada.
Ao clicarmos sobre a hiperligação "José Guilherme Caldas" abre-se o placemark do Comandante desta expedição com o respectivo conteúdo.

3º Passo - Listagem de Conteúdos

Tal como no ficheiro da anterior viagem, este ficheiro está dividido em 4 áreas de conteúdo:
  1. "METEO" | Onde podemos carregar diversas cartas sobre o google earth que nos darão informação meteorológica, algumas quase em tempo real.
  2. "00 - Rota Prevista" | Aqui podemos consultar dois placemarks, o da partida e o da chegada, que, ligados por uma linha dão o percurso "optimizado" para a viagem. (A imagem mostra o conteúdo do placemark da partida)
  3. "01 - Onde Estamos Agora?" | Será aqui que iremos colocar todas as posições diárias do Barco, e cada placemark irá conter um resumo da conversa obtida diariamente via telefone satélite. Se esta pasta não estiver activa não conseguirão ver a localização da equipa.
  4. "Tripulação" | Esta pasta contem informações sobre a tripulação marítima e terrestre desta expedição.
4º Passo - Onde seguir a viagem?

Como já foi mencionado, podem descarregar o ficheiro KMZ e seguir diariamente o percurso da viagem do "futuro Mussulo II".

Podem também, (e aconselho vividamente), seguir com mais detalhe informativo, o blog Abraço à Vela onde poderão ler e comentar as noticias, ou até enviar mensagens aos marinheiros.

Bons ventos aos marinheiros,
GoogleearthPT

Comentários

  1. espero que tenham recebido a minha mensagem a desejar......muita merda......e ao Polo tambem quero ir...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais populares...

IH - Águas Territoriais Portuguesas

O site do Instituto Hidrográfico Português (IH), tem uma secção de downloads gratuitos com informação muito interessante para passível de ser trabalhada e posteriormente analisada no Google Earth.

Entre outros temas, que falaremos em futuros posts, hoje destacamos as Águas Territoriais Portuguesas.

A ligação que o GoogleearthPT, fornece hoje aos seus leitores, contém os polígonos que limitam diversos subtemas das Águas Territoriais.

Mar Territorial (fonte wikipedia)
O Mar Territorial, é uma faixa de águas costeiras que alcança 12 milhas náuticas (22 quilómetros) a partir do litoral de um Estado que são consideradas parte do territóriosoberanodaquele Estado (exceptuados os acordos com Estados vizinhos cujas costas distem menos de 24 milhas náuticas). A largura do mar territorial é contada a partir da linha de base, isto é, a linha de baixa-mar ao longo da costa, tal como indicada nas cartas marítimas de grande escala reconhecidas oficialmente pelo Estado costeiro.Dentro do mar territorial,…

Atlas do Ambiente - Carta de Acidez e Alcalinidade dos Solos

Mais uma carta do Atlas do Ambiente.
No anterior post sobre o Atlas do Ambiente, falámos sobre futuras cartas a serem disponibilizadas aqui no GoogleeartPT, esta é mais uma.

A carta de Acidez e Alcanilidade dos solos, refere-se à análise do PH dos solos em água com amostras de todo território continental.

Nesta carta são visíveis, através de polígonos interactivos, os seguintes critérios de classificação dos solos segundo o seu PH e (Alcalinidade): <= 4.5Entre 4.6 e 5.5Entre 4.6 e 5.5 + (5.6 a 6.5)Entre 4.6 e 5.5 + (7.4 a 8.5)Entre 5.6 e 6.5Entre 5.6 e 6.5 + (4.6 a 5.5)Entre 5.6 e 6.5 + (6.6 a 7.3)Entre 5.6 e 6.5 + (7.4 a 8.5)Entre 6.6 e 7.3Entre 6.6 e 7.3 + (5.6 a 6.5)Entre 6.6 e 7.3 + (7.4 a 8,5)Entre 7.4 e 8.5Entre 7.4 e 8.5 + (5.6 a 6.5)Entre 7.4 e 8.5 + (<=4.5) A ficha técnica da Carta de Acidez e Alcalinidade dos Solos, é visível ao clicarmos sobre a pasta principal "Acidez e Alcalinidade dos Solos". (ver imagem)

É ainda possível, navegar pelas diversas pastas, isol…

Atlas do Ambiente - Biótopos CORINE

Mais uma carta do Atlas do Ambiente.

O Projecto Biótopos Corine 2000 teve como objectivo efectuar uma compilação das componentes físicas e biológicas mais importantes para a Conservação do Meio Ambiental na Comunidade Europeia. Os locais incluídos no Projecto Biótopo caracterizam-se pela existência, no local, de espécies florísticas e faunísticas vulneráveis e de unidades fitossociológicas; pelo "valor do Sítio" relativamente a certo nível taxonómico e "valor do Sítio relativamente a um sintaxon de unidades", assim como pelo valor geológico, geomorfológico ou paisagístico do Sítio.

Os biótopos Corine serviram ainda, como base para o levantamento realizado aquando da construção da lista da Rede Natura, é por este motivo que a sua distribuição geográfica coincide com estas áreas.
Nesta carta são visíveis, através de polígonos interactivos, as diversas zonas demarcadas como Biótopos (habitats) CORINE.
Embora os biótopos Corine não tenham valor legal são indicativos da s…