Avançar para o conteúdo principal

Truques e Dicas 01 - Importar rotas de GPS para o GE!

Pois é, tal como o título indica, finalmente a tão esperada secção de truques e dicas, anunciada lá atrás no início deste blog, deu um passo em frente.
Assim, como a maioria das pessoas não tem o Google Earth PRO - o tal que custa $29,99 por ano e que, a meu entender, nem é muito caro (dependendo do que se faz com o programa!) - dedico então a nota de hoje aos utilizadores da versão gratuita e em especial aos amantes e utilizadores de GPS.
Como é sabido, o Google Earth tem uma função que permite interagir com a maioria de marcas de GPS existentes no mercado. Esta função permite, a recepção e envio de informação entre o equipamento em si (hardware GPS) e o programa (software Google Earth). O potencial desta ferramenta é imenso, há trabalhos espalhados por toda a comunidade GE que demonstram bem a diversidade de temas cobertos com esta função.
No entanto, para a poder utilizar há que estar a utilizar a versão do Google Earth PRO, uma vez que na versão livre do programa, a função de GPS está bloqueada.
Então? - perguntam vocês! - como resolver este problema?
A solução é dada pela propria Google, no seu manual practico de KML 2.0, disponível aqui neste link para quem tiver interesse em ler as quase 100 páginas.
Para quem não tem pachorra para isso nem tempo para perder, então leiam as instruções que vos vou dar e vão ver que funciona que nem um mimo!
Há uns meses atrás um amigo meu, dado a desportos de montanha, lembrou-se de levar com ele o GPS de bolso (não fosse algo correr mal lá em cima), gravando então a totalidade do percurso que fez na montanha.

1º Passo

Ligando o GPS ao PC e exportando a rota para um ficheiro legível com um editor de TXT obtém-se assim uma lista de pontos com coordenadas.
No caso do meu amigo, a lista que me forneceu vinha em formato WPT do OziExplorer (programa que ele utilizou para importar a rota do GPS para o PC), mas pode ser em qualquer formato desde que seja num formato editável em MSDOS ou num editor simples como o Bloco de Notas do Windows.

2º Passo

Abrindo este ficheiro (com o tal editor de TXT ie. Bloco de Notas do Windows) e encontramos a lista de coordenadas da rota.
Atenção!!
Para rotas terrestres e marítimas, apenas a latitude e longitude são necessárias, a altitude é autmática no GE uma vez que ele já possui topografia própria.
Assim após encontrada a lista de coordenadas para a rota, que poderá ter um aspecto semelhante a este:

OziExplorer Waypoint File Version 1.1
European 1950 (Spain and Portugal)
Reserved 2
garmin
23,PLATAF , 40.276349, -5.231274,37732.01197, 83, 1, 3,0,65535, , 3,0,0,5840, 6, 0,17
24,02 ,
40.272412, -5.234725,37732.01197, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0, 0,6037, 6, 0,17
25,03 , 40.272273, -5.241164,37732.01197, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0,0,6286, 6, 0,17
26,PUENTE ,
40.271462, -5.244914,37732.01197, 83, 1, 3,0,65535,Cruzando Río,3,0,0,6322, 6, 0,17
27,05 ,
40.272142, -5.251094,37732.01197, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0,0,6778, 6, 0,17
28,06 ,
40.271832, -5.254654,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0,0,6909, 6, 0,17
29,07 , 40.272702, -5.258104,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0,0,7067, 6, 0,17
30,08 , 40.265203, -5.267204,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,3,0,0,6841, 6, 0,17
31,09 ,
40.263663, -5.266884,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,2,0,0,6716, 6,0,17
32,10 , 40.260333, -5.270644,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,3,0,0,6660, 6, 0,17
33,11 ,
40.253793, -5.274724,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,2,0,0,6411, 6, 0,17
34,REFUGI ,
40.251923, -5.278643,37732.01198, 83, 1, 3,0,65535, ,0,0,0,6401, 6, 0,17

Vamos copiar as coordenadas (marcadas a bold e azul escuro) para um novo documento texto no Bloco de Notas do Windows e gravar esta lista com um nome temporário tipo "Lista01.txt".

3º Passo (Opcional mas muito útil)

No caso da lista do meu amigo, temos ainda de inverter as coordenadas pois foram exportadas em ordem inversa pelo programa que as importou do GPS. Isto pode ser verificado se pegarmos num qualquer conjunto de coordenadas e as definirmos como as coordenadas de um "placemark" no GE. Se o local do "placemark" estiver de acordo com o local onde a nossa rota irá passar (e não noutro qualquer lugar do mundo) então as coordenadas estão na ordem correcta. O ponto sair do outro lado do mundo, como no caso das coordenadas em cima, então temos de as inverter. Para fazermos isto, mudamos a extensão do ficheiro Lista01.txt para Lista01.csv e abrimos o ficheiro no excell onde pudemos facilmente alterar a ordem das colunas e voltar a gravar o ficheiro com o mesmo nome, invertendo depois o passo de alterar a extensão novamente para txt. O resultano no final deste passo deverá ser qualquer coisa deste tipo:

-5.231274,40.276349
-5.234725,40.272412
-5.241164,40.272273
-5.244914,40.271462
-5.251094,40.272142
-5.254654,40.271832
-5.258104,40.272702
-5.267204,40.265203
-5.266884,40.263663
-5.270644,40.260333
-5.274724,40.253793
-5.278643,40.251923

Ok. Temos agora um ficheiro Lista01.txt com as coordenadas na ordem correcta vamos terminar com o próximo passo o mais importante.

4º Passo

No manual KML 2.0 da Google, encontramos um pedaço de código que nos ensina a criar uma linha "agarrada ao chão" (com altitude relativa ao campo de visão) com o seguinte texto:

Pegamos então neste código (AQUI) copiando-o para um novo documento txt.
Abrimos a nossa Lista01.txt (se é que ainda não está aberta).
Selecionamos a lista de coordenadas copiando e colocamo-la sobre o texto vermelho colando, ficando com um resultado do tipo:

Podemos agora gravar este pedaço de código com um nome a nosso gosto com a extensão reconhecida pelo GE KMZ.
"nomeanossogosto.KMZ"

5º Passo

Acabamos de criar uma rota no GE apartir de coordenadas importadas de um GPS. Clicando duas vezes sobre o ficheiro recem criado nomeanossogosto.KMZ verificamos a rota a aparecer no GE no seguinte local.

Esperimentem e comentem que nas próximas dicas, aprenderemos a decorar este nosso "placemark"!

Comentários

  1. Boa ideia. Eu que ainda por cima tenho um GPS Magellan, que tem o sftware muito protegido agradeço estas ajudas.

    Principalmente o envio de coordenados em sentido contrário PC - GPS é muito útil para estabelecer rotas.

    Nota 5 a quem teve a paciência de descobrir isto.

    ResponderEliminar
  2. Excelente.
    Sem querer abusar, será possível por no site um ficheiro exemplo editável (sem ser imagem).
    gracias.

    ResponderEliminar
  3. Caro Anonymous,

    Estou já a tratar disso.

    Cumprimentos,
    Djorge

    ResponderEliminar
  4. Excelente post! Parabéns.

    Eu estou apenas com uma dúvida: No meu trabalho eu tenho as coordenadas de visadas negativadas com essa formatação: 23°35'52.00"S, 46°37'29.51"W. E gostaria de importar no google earth para tentar descobrir um "padrão" de áreas com grande quantidade de visadas negativadas.

    Como eu devo proceder?
    Apenas o google earth consegue me ajudar nesse suporte?

    Agradeço a atenção desde já!

    ResponderEliminar
  5. Sei que não é o local correto mais tenho um certo problema com o Google Earth. Tirei algumas coordenadas com um GPS Garmin que dizia ter uma precisão no momento de 7m só que quando jogo no Google Earth ele mostra o ponto do GPS numa distancia de uns 150m do local certo.

    Em quem devo confiar? Na coordenada usando a imagem do GE ou no GPS?

    ResponderEliminar
  6. o que eu estava procurando, obrigado

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais populares...

Atlas do Ambiente - Carta de Acidez e Alcalinidade dos Solos

Mais uma carta do Atlas do Ambiente.
No anterior post sobre o Atlas do Ambiente, falámos sobre futuras cartas a serem disponibilizadas aqui no GoogleeartPT, esta é mais uma.

A carta de Acidez e Alcanilidade dos solos, refere-se à análise do PH dos solos em água com amostras de todo território continental.

Nesta carta são visíveis, através de polígonos interactivos, os seguintes critérios de classificação dos solos segundo o seu PH e (Alcalinidade): <= 4.5Entre 4.6 e 5.5Entre 4.6 e 5.5 + (5.6 a 6.5)Entre 4.6 e 5.5 + (7.4 a 8.5)Entre 5.6 e 6.5Entre 5.6 e 6.5 + (4.6 a 5.5)Entre 5.6 e 6.5 + (6.6 a 7.3)Entre 5.6 e 6.5 + (7.4 a 8.5)Entre 6.6 e 7.3Entre 6.6 e 7.3 + (5.6 a 6.5)Entre 6.6 e 7.3 + (7.4 a 8,5)Entre 7.4 e 8.5Entre 7.4 e 8.5 + (5.6 a 6.5)Entre 7.4 e 8.5 + (<=4.5) A ficha técnica da Carta de Acidez e Alcalinidade dos Solos, é visível ao clicarmos sobre a pasta principal "Acidez e Alcalinidade dos Solos". (ver imagem)

É ainda possível, navegar pelas diversas pastas, isol…

IH - Águas Territoriais Portuguesas

O site do Instituto Hidrográfico Português (IH), tem uma secção de downloads gratuitos com informação muito interessante para passível de ser trabalhada e posteriormente analisada no Google Earth.

Entre outros temas, que falaremos em futuros posts, hoje destacamos as Águas Territoriais Portuguesas.

A ligação que o GoogleearthPT, fornece hoje aos seus leitores, contém os polígonos que limitam diversos subtemas das Águas Territoriais.

Mar Territorial (fonte wikipedia)
O Mar Territorial, é uma faixa de águas costeiras que alcança 12 milhas náuticas (22 quilómetros) a partir do litoral de um Estado que são consideradas parte do territóriosoberanodaquele Estado (exceptuados os acordos com Estados vizinhos cujas costas distem menos de 24 milhas náuticas). A largura do mar territorial é contada a partir da linha de base, isto é, a linha de baixa-mar ao longo da costa, tal como indicada nas cartas marítimas de grande escala reconhecidas oficialmente pelo Estado costeiro.Dentro do mar territorial,…

Atlas do Ambiente - Biótopos CORINE

Mais uma carta do Atlas do Ambiente.

O Projecto Biótopos Corine 2000 teve como objectivo efectuar uma compilação das componentes físicas e biológicas mais importantes para a Conservação do Meio Ambiental na Comunidade Europeia. Os locais incluídos no Projecto Biótopo caracterizam-se pela existência, no local, de espécies florísticas e faunísticas vulneráveis e de unidades fitossociológicas; pelo "valor do Sítio" relativamente a certo nível taxonómico e "valor do Sítio relativamente a um sintaxon de unidades", assim como pelo valor geológico, geomorfológico ou paisagístico do Sítio.

Os biótopos Corine serviram ainda, como base para o levantamento realizado aquando da construção da lista da Rede Natura, é por este motivo que a sua distribuição geográfica coincide com estas áreas.
Nesta carta são visíveis, através de polígonos interactivos, as diversas zonas demarcadas como Biótopos (habitats) CORINE.
Embora os biótopos Corine não tenham valor legal são indicativos da s…